25 de outubro de 2008

PRÉMIO LEYA

Só os mais desatentos estranharão que, além do vencedor, os finalistas do "prémio" Leya (leya-se "adiantamento por 20 anos de direitos, ao serviço de uma monstruosa máquina de vendas") sejam quase todos brasileiros. Seria não compreender a dimensão e a riqueza do Brasil no campo cultural. Um deles é o meu amigo Alaor Barbosa(não sei se já falei no assunto, mas estou muito preguiçoso para ir ver o blogue...) que verá o seu romance publicado numa - provavelmente na D.Quixote - das editoras do grupo.
Fico contente que nos últimos anos nos tenha começado a chegar um pouco do melhor (e do pior, também) dos nossos amigos do outro lado. Espero que alguns dos contemporâneos portugueses ali consigam entrar. Não para destronar o Eça, Pessoa ou Florbela Espanca, mas para dar a conhecer um pouco do que por cá, igualmente se vai fazendo.

7 comentários:

Anónimo disse...

O prémio Leya veio para abrir portas a novos valores para o romance. Ora tendo em conta o currículo dos premiados, estes não são propriamente novatos. Não terá sido muito ético da vossa parte concorrer a uma prova cega sob pseudónimo. Para pessoas do valor dos finalistas são aconselhados os prémios de carreira.
Talvez por isso tenham sido selecionados tantos escritores brasileiros, os prtugueses consagrados tiveram esse pudor.

Anónimo disse...

Nada a opor à escolha, tendo em conta que foi cega. Mas à medida que se vão revelando os nomes dos finalistas do Brasil, de novatos não têm nada.
O autor em questão, pela biografia, devia candidatar-se a um prémio de carreira.
Se tal acontecesse aqui com a Agustina, O Lobo Antunes,saramago, etc, quantos comentários em relação ao ridículo que faziam.

P. C. disse...

Por falar em pudor, eu pedia a todas as pessoas (mais uma vez) que assinassem os seus comentários.
Por norma, não são publicados nenhuns anónimos. Úteis ou não.
Obrigado.

P. C. disse...

ps: o prémio Leya não veio "abrir portas a novos valores". Apenas atrair, com uma choruda soma, a maioria dos escritores de língua portuguesa, embrulhar toda esta operação em "prémio" e vender o máximo de livros possível com esta operação de marketing.
Não há nisto nada de benemérito. Apenas formas de ganhar ainda mais dinheiro.
O aparecimento de algum nome desconhecido de um escritor com valor (estamos para ver, ou melhor, para ler, se será o caso) será apenas um efeito secundário.
ps2: estou completamente à vontade nesta questão, já que não me candidatei nem tenho qualquer intenção de o vir a fazer.

Professor João disse...

Caríssimo P.C., confesso que a sua escrita me motivou para embarcar na solitária tarefa de me tornar um "atrevido" criador de romances. Terminei ontem a minha primeira aventura! Ouso aqui dar-lhe a conhecer este episódio da minha existência. Senti em parte que foi justamente a sua capacidade em "iluminar" as vidas dos seus leitores que influenciou a vida deste novo contador de histórias. Aqui resolvi dar-lhe conta desta pequena novidade! Um muito bem-haja P.C., e até breve.

P. C. disse...

Caro João,
fico feliz de que algumas das coisas que faço consigam chegar às pessoas. Ou que ajudem outras a criar. Parabéns e bom repouso... antes da revisão :)

Anónimo disse...

Olá :)
O Blogue dos Manteigas passou por aqui, via Rosmaninho da Serra :)
Um abraço,
http://bloteigas.blogspot.com/